Início » Conta da LIGHT com Energia Solar

Conta da LIGHT com Energia Solar

Conta da Light com Enegia Solar sofre alteração na sua composição, então segue um exemplo de uma fatura da Light conforme figura abaixo. Informamos que poderá haver algumas modificações na estrutura (formato) da conta de acordo com a versão da mesma, seja ela física ou digital.

Conta da Light com Energia Elétrica - Exemplo de Fatura

Existem cinco campos principais que devemos considerar na análise da fatura de energia com geração de energia solar

MEDIÇÃO ATUAL E ANTERIOR (Detalhe 1 - Conta da Light)

A concessionária, ao efetuar a troca do relógio, substituirá o modelo de leitura unidirecional pelo bidirecional. Neste momento, a medição anterior considerada será reiniciada, contando a partir do “zero”, sendo assim sua contagem sempre crescente e positiva.

É possível observar quais foram as datas das leituras do relógio e a quantidade de kWh consumidos no mês atual e anterior. 

Esta tabela informa apenas a leitura da energia consumida diretamente da rede da Light. A leitura relativa à energia injetada pelo seu sistema fotovoltaico estará localizada em outra tabela, que abordaremos mais à frente.

De acordo com o exemplo de fatura de energia solar utilizada, temos que a leitura atual ocorreu na data de 25/03/2020, sendo uma leitura 1.299 kWh. A leitura anterior foi de 1.007 kWh e aconteceu no dia 21/02/2020.

MÊS DE REFERÊNCIA (Detalhe 2 - Conta Da Light)

O mês de referência representa basicamente o período de leitura principal de sua fatura de energia e também fornece uma base mensal para faturamento.

Como podemos observar a partir do exemplo, o período de leitura do relógio não contempla exatamente todos os meses de março de 2020.

Portanto, o mês de referência representa o mês em que ocorreu a leitura mais recente do relógio.

CONSUMO EM kWh (Detalhe 3 - Conta Da Light)

Este item é referente à quantidade total de energia consumida junto à distribuidora Light. No nosso exemplo é equivalente a 292 kWh. 

Um fato importante é que, esse valor é mensurado a partir da subtração entre os valores da Leitura Atual e Leitura Anterior, multiplicado pela constante do medidor (em nosso exemplo, igual a 1). 

No portal da Light há um espaço reservado que mostra como você pode realizar a leitura do seu medidor. É apresentado cada um dos três medidores utilizados nas instalações residenciais: ponteiros, ciclométricos e eletrônicos.

O valor de kWh consumido apresentado na fatura de energia não corresponde ao consumo total do cliente da conta modelo. 

Isso ocorre, pois parte da energia solar produzida pelo sistema fotovoltaico é automaticamente consumida durante a produção. Portanto, o consumo apresentado na fatura é somente referente à energia obtida da distribuidora, como à noite, por exemplo.

Tendo em vista que, a mesma não tem como saber o quanto de energia foi consumida instantaneamente. Entretanto, para obtermos o valor da energia total consumida, basta utilizar a fórmula abaixo, considerando o intervalo de leitura da fatura.

ENERGIA INJETADA E SALDO TOTAL DE CRÉDITOS (Detalhe 4 - Conta Da Light)

Neste quadro é informada a parcela da energia produzida pelo sistema fotovoltaico e que foi injetada na rede, considerando o período de leitura do relógio conforme tabela 1 de nosso exemplo.

Assim, 350 kWh foram injetados no ciclo no mês de Março de 2020. Lembramos que apenas com esta informação em mãos, não é possível calcularmos o consumo total da casa.

Como dito anteriormente, a Light não contabiliza a quantidade de energia total consumida automaticamente. Caso deseje obter este parâmetro deverá realizar o cálculo manualmente conforme fórmula acima ou realizar a aquisição do Medidor Inteligente de Energia, que automatizará o processo para você, que terá em seu celular todas as informações de forma prática e simples. Caso deseje adquirir o equipamento, entre em contato conosco que podemos te ajudar.

Outro dado apresentado é a quantidade total de créditos após compensação de energia, e que em nosso caso são 201 kWh de créditos até o processamento da fatura de março de 2020. 

Esse valor é referente aos créditos totais não utilizados e que estão “sobrando”, já que o máximo que é possível compensar de energia injetada é o próprio consumo junto à distribuidora. Portanto, todo o valor acima disso é convertido em créditos. 

Para saber a quantidade de créditos acumulados no mês, basta subtrair o Saldo de Créditos atual pelo saldo da fatura anterior. 

Vale frisar que os créditos acumulados possuem validade de até 60 meses para serem utilizados. Além disso, são automaticamente descontados em faturas futuras, sempre que a energia injetada for insuficiente para compensar a energia oriunda da Light

ITENS DA FATURA (Detalhe 5 - Conta Da Light)

Nesta tabela da sua fatura, são encontrados todo o detalhamento sobre compensação de energia e valores para pagamento.

A princípio podemos observar que os itens Energia Injetada e Energia Fornecida são divididas em 2 categorias: TE (Tarifa de Energia) e TUSD (Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição). A nomenclatura TE refere-se ao custo da geração de energia e a TUSD ao custo pelo uso do sistema de distribuição junto à distribuidora Light, sendo um valor a pagar pela infraestrutura disponibilizada pela Light para a utilização do sistema (linhas de transmissão e distribuição).  

Sendo assim, nota-se que a Energia Injetada – TE (C) e a Energia Fornecida – TE (E) são complementares e se anulam. Assim podemos interpretar que, toda a quantidade de kWh consumidos (292 kWh) foi compensado e abatido da sua fatura, se considerarmos apenas a Tarifa de Energia (TE). 

Entretanto, ao observar a tarifa dos itens referentes ao TUSD: Energia Injetada – TUSD (B) e Energia Fornecida – TUSD (D), percebemos uma diferença no preço unitário da tarifa. Essa diferença acontece devido à cobrança indevida de ICMS sobre a parte da energia injetada. Ou seja, no nosso exemplo foi cobrado R$22,52 considerando a Energia Fornecida sob a Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição (D).

Na fatura presente, foi adicionada a linha Dif. Custo Disponib. Res 482 (A), esse item representa a taxa mínima que o consumidor deverá pagar para a concessionária, havendo ou não consumo da rede. O valor a ser pago é variável de acordo com o tipo de conexão à rede: 100 kWh para relógios trifásicos, 50 kWh para bifásicos e 30 kWh para monofásicos. Sendo assim, essa linha só aparece caso o cliente tenha consumido menos do que o mínimo da quantidade de energia relacionada ao seu tipo de relógio. 

Mensalmente é adicionado à fatura de energia a Contribuição de Custeio da Iluminação Pública – (CIP) (F). Taxa na qual cada município é responsável por declarar a base de cálculo e modos de cobrança. Logo, para saber o custo a ser pago em iluminação pública, basta entrar em contato com a prefeitura de seu município. Vale ressaltar que o CIP é cobrado sobre o montante de energia consumida da concessionária. Portanto, com a utilização da energia solar e com o consumidor passando a produzir boa parte da sua energia consumida, haverá uma redução do consumo de kWh provenientes da distribuidora e consequentemente uma redução no CIP.

Por último, caso o cliente desta conta exemplo, consumisse uma quantidade de kWh superior à quantidade injetada na rede, e não tivesse créditos o suficiente para compensar,  existiria uma linha denominada “Energia Elétrica kWh”. Nesse caso, o valor do kWh consumido iria ser cobrado normalmente considerando a tarifa vigente da distribuidora.

Fonte: Lux Nova